<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6779334299592895871\x26blogName\x3dJornal+do+Fundinho\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://jornaldofundinho.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://jornaldofundinho.blogspot.com/\x26vt\x3d7297088095981209215', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>







   





   

Provada existência de buraco negro junto à porta da retaguarda dos transportes públicos

11 novembro, 2010

Cientista russo a trabalhar em Portugal foi o autor da investigação.

Um investigador da Universidade de Samora Correia anunciou hoje a descoberta de um buraco negro imediatamente após a porta da retaguarda dos transportes públicos urbanos. O russo Anatoly Petrovsky relatou que, nas observações efetuadas, foi possível identificar um objeto de atração gravitacional extrema logo a seguir à porta de saída dos veículos de transporte de passageiros, nomeadamente autocarros e camionetas, o que leva a que após esse local seja completamente impossível encontrar um único passageiro a viajar de pé.
«Percebi que o facto de todos os passageiros de transportes públicos não passarem da porta da retaguarda, mesmo quando a traseira do veículo está completamente vazia, resulta do facto de serem sugados para esse buraco negro e não, como se acreditava até agora, de pura estupidez», revelou, em rigoroso exclusivo para o Jornal do Fundinho, o cientista. Doutorado em física Quântica pela Universidade de Moscovo e desempenhando atualmente as funções de responsável pela limpeza dos sanitários do Departamento de Engenharia de Coisas da Universidade de Samora Correia, Petrovsky explicou ainda que a investigação teve início durante uma das suas idas ao Lidl: «Eu tentei entrar no autocarro, porque me estava mesmo a apetecer uma saladinha e tinha-se acabado o molho de ervas finas e cebola Gourmet Deluxe, e já não pude entrar porque estava a porta da frente bloqueada, apesar de não haver ninguém depois da outra porta. Achei logo que aquilo era um dos grandes mistérios do universo e que tinha de o tentar desvendar». O investigador teve, no entanto, de ultrapassar uma recusa de bolsa de investigação por parte da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, que aparentemente acha que trabalhar nas obras em Portugal não é currículo, acabando por optar pelo plano B para financiar o seu projeto: «Comprei o passe da Carris!»
Petrovsky defendeu que, à luz das suas conclusões, os utilizadores de transportes públicos deverão, por razões de segurança, privilegiar o metropolitano. «Fiz diversos testes e nunca consegui detetar nenhum buraco negro no metro, embora as pessoas precisem de estar atentas a outro tipo de fenómenos físicos, como os quasares... que são aquelas situações em que aparece um indiano a tentar impingir-nos um relógio manhoso e nós só pensamos: Qu’azar!», explicou, antes de revelar que tem uma admiração secreta pelo sentido de humor de António Sala.
Satisfeito com os resultados alcançados, Anatoly Petrovsky espera agora poder dedicar-se mais à causa da ciência: «Já pedi que me reduzissem o horário na limpeza das casas de banho... Para já não foi possível, mas estou a pensar em tirar partido disso, porque acho que também se formam buracos negros junto aos rolos de papel higiénico nas sanitas dos homens... Ou isso, ou o papel desaparece mais depressa por causa do velho truque de forrar a sanita para não se ouvir a cair na água...»

Etiquetas:

Arnaldo Midões

0 comentário(s):

Comentar


    Arquivo 2007: fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2008: janeiro | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2009: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2010: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2011: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2012: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2013: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2014: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2015: janeiro | fevereiro | março | abril


    2007-2013, Jornal do Fundinho. CC: Atribuição / Uso Não-Comercial / Vedada a Criação de Obras Derivadas.
    Diretor: Afonso Barata   Editor de Nacional: Castro Castanheira   Editor de Mundo: Pinto da Cruz   Editor de Economia: Eufémia Saraiva   Editor de Sociedade: Arnaldo Midões
    Editor de Artes+Media: Lucília Gralha   Editor de Desporto: Manuel Feijão   Editor de Fotografia: Eugénio Calhau   Cartoonista: Duarte Bexiga
    Canal do Fundinho: José Libório   Rádio do Fundinho: Odete Antunes