<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6779334299592895871\x26blogName\x3dJornal+do+Fundinho\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://jornaldofundinho.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://jornaldofundinho.blogspot.com/\x26vt\x3d7297088095981209215', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>







   





   

Morreu o pior sósia da história do mundo

26 junho, 2009

Revelado finalmente um dos mais bem guardados segredos da história da música pop.

O homem que tem vindo a apresentar-se como Michael Jackson desde 1987 morreu esta quinta-feira, após sofrer uma paragem cardíaca em casa. Bruno Aehrenthal Dorfmeister, um cidadão austríaco que emigrou para os Estados Unidos no final da década de 80 do século passado, com o sonho de ser o novo Arnold Schwarzenegger ou Adolf Hitler, era sósia do cantor desde a sua morte acidental, que desta forma foi escondida do mundo até hoje.
Foi o próprio Dorfmeister quem revelou tudo, numa carta enviada em exclusivo para o Jornal do Fundinho, minutos antes do seu próprio desaparecimento. «No final de 86 o Michael Jackson morreu enquanto assistia a um espectáculo do seu amigo Uri Geller. Este estava a dobrar uma colher com o poder da mente mas distraiu-se e acabou por dobrar e partir o pescoço do Michael», revelou o duplo, que explicou ainda que compareceu ao casting para escolher um substituto para o 'rei da pop' sem quaisquer ilusões: «Eu fui por causa dos croquetes, porque pensava que não tinha hipóteses... afinal, eu era um branco magricela com um nariz pontiagudo e eles procuravam um negro anafadito com um nariz que parecia uma batata. Até estava para ir embora quando reparei que já passava das sete da tarde e que só tinha outro autocarro daí por uma hora».

Dorfmeister e Jackson chegaram a cruzar-se antes da substituição [foto E. Calhau]

Surpreendentemente, Bruno Aehrenthal Dorfmeister acabou mesmo por ser o escolhido para substituir o artista norte-americano, hipótese em que ele começou a acreditar quando viu quem fazia a escolha: «Ter o Ray Charles e o Stevie Wonder como júris de uma coisa destas não me pareceu grande ideia, mas tentei tirar o maior partido disso». Desta forma, o primeiro álbum a contar com o 'novo' Jackson seria "Bad", em cujo refrão do tema-título ele cantava «I'm B.A.D.», as iniciais do seu nome.
Até aos nossos dias, Dorfmeister surgiu repetidamente perante as câmaras como sendo Michael Jackson, o que, dadas as evidentes diferenças físicas entre ambos, levou ao aparecimento de diversos rumores sobre um desequilíbrio emocional do artista que o levava a realizar diversas intervenções plásticas e tratamentos hormonais. Na verdade, estes chegaram a ocorreu, provocando a verdadeira degradação do rosto de Dorfmeister, mas foram provocados por uma necessidade de esconder a sua 'austracidade'. «A meio dos anos 90 começou a aparecer-me um insistente pequeno bigodinho, que crescia sempre por mais que eu o cortasse», explica.
São finalmente esclarecidas também as alegações de abuso sexual que, nos últimos anos, têm vindo a pender sobre Michael Jackson - ou antes, o seu substituto. Bruno Aehrenthal Dorfmeister admite os abusos na carta enviada, mas apresenta uma explicação: «Eu estava profundamente perturbado. Porra, eu era um austríaco obrigado a viver durante mais de duas décadas na pele de um preto!»
Com o desaparecimento do homem que se fez passar por Michael Jackson durante 22 anos, conhece-se finalmente um segredo cuidadosamente escondido e que só por uma vez esteve prestes a quebrar-se: na noite de núpcias após o casamento do duplo de Jackson com Lisa Marie Presley, quando a filha de Elvis percebeu, para seu grande desgosto, que o marido não era, definitivamente, de origem africana.

Etiquetas:

Lucília Gralha

0 comentário(s):

Comentar


    Arquivo 2007: fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2008: janeiro | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2009: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2010: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2011: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2012: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2013: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2014: janeiro | fevereiro | março | abril | maio | junho | julho | agosto | setembro | outubro | novembro | dezembro
    Arquivo 2015: janeiro | fevereiro | março | abril


    2007-2013, Jornal do Fundinho. CC: Atribuição / Uso Não-Comercial / Vedada a Criação de Obras Derivadas.
    Diretor: Afonso Barata   Editor de Nacional: Castro Castanheira   Editor de Mundo: Pinto da Cruz   Editor de Economia: Eufémia Saraiva   Editor de Sociedade: Arnaldo Midões
    Editor de Artes+Media: Lucília Gralha   Editor de Desporto: Manuel Feijão   Editor de Fotografia: Eugénio Calhau   Cartoonista: Duarte Bexiga
    Canal do Fundinho: José Libório   Rádio do Fundinho: Odete Antunes